SMILE

Atualizado: 5 de fev. de 2020



Genial e eterno como poucos, ele sempre será lembrado por fazer o que pedia em sua música, da obra "Luzes da ribalta", que ganhou o Oscar de Melhor Canção em: "Smile"

Por Fabíola Paes de Almeida Tarapanoff


“Sorria.” É simplesmente o que ele diz que deve fazer, depois de saber que a mulher que o marcou na sua juventude morreu. Diante da notícia, mesmo arrasado, ele tira o chapéu e acena à multidão que o espera na estação de trem em Londres, sua cidade natal, após fazer sucesso nos Estados Unidos. Seu nome? Charles Chaplin, interpretado de maneira inesquecível por Robert Downey Jr., que se entrega totalmente ao papel. Downey Jr. tinha 27 anos quando foi indicado ao Oscar de Melhor Ator em 1993 pelo papel, ganhando o prêmio BAFTA por sua impecável atuação. Na época da divulgação da obra, ele chegou a afirmar à imprensa: “Fazer Chaplin no cinema transformou minha vida. Em um momento sou eu mesmo. No minuto seguinte, sou Chaplin”, disse. Até hoje o ator se diz influenciado pelo humor do ícone, que serviu de inspiração para a criação do personagem Tony Stark, de O homem de ferro.

Dirigido por Richard Attenborough e baseado na sua autobiografia e na biografia de David Robinson (Chaplin: His Art e His Life), mostra a vida de um dos maiores mitos da sétima arte. A obra inicia mostrando

Chaplin tirando sua maquiagem diante de um espelho e depois ele já idoso contando sua história ao biógrafo, o personagem fictício George Hayden (Anthony Hopkins).


A obra mostra sua infância pobre em Londres, quando teve de morar em um orfanato com seu irmão Sidney (Paul Rhys), porque sua mãe (Geraldine Chaplin, que faz o papel de sua avó, Hannah Chaplin), tinha crises de loucura e teve de ser internada em um hospício para tratamento.

Depois apresenta sua juventude, quando começa a trabalhar para a companhia de teatro de Fred Karno e consegue sucesso como um bêbado que chama a atenção de todos na sala de espetáculos. Nessa época conhece A grande oportunidade vem quando Mack Sennett o convida para fazer filmes na Califórnia e ele passa a receber 150 dólares por semana. Aí ele tem a ideia de criar um personagem que se torna sua marca: o adorável Vagabundo, Carlitos. O sucesso é tão grande, que Chaplin exige receber um salário maior que Sennett e cria seu própria estúdio.





O filme mostra como foram criados os grandes filmes de sua vida, como O garoto, Em busca do ouro e seu perfeccionismo, chegando a rodar mais de 50 vezes a cena em que a florista cega confunde o Vagabundo com um milionário devido ao bater de portas de uma limusine em Luzes da cidade. Também são retratados seus amores, como a primeira mulher, Mildred Harris (Milla Jovovich), que era menor de idade na época, Lita Grey (Mariah Moore), Paulette Goddard (Diane Lane), Oona O’ Neill, filha do escritor Eugene O’Neill (Moira Kelly) e Hetty (Moira Kelly), uma atriz de vaudeville que acaba se casando e morrendo depois em uma epidemia de gripe e que Chaplin nunca esquecerá.


Destaque para o momento em que Chaplin é exilado dos Estados Unidos, tendo de morar na Suíça, por ser considerado comunista por J. Edgar Hoover (Kevin Dunn) devido ao filme O grande ditador, que trazia uma sátira à Adolf Hitler. Chaplin considerava-se, na verdade, um humanista. Em 1973 ele retorna ao país que considerava a "terra das oportunidades e onde os sonhos acontecem", para receber um Oscar honorário pelo conjunto de sua obra. Chaplin morre no Natal de 1977 em sua casa na Suíça, cercado pelos filhos e netos.


Chaplin considerava-se, porém, um humanista, como prova com seu belo discurso do filme, quando ele se rende ao cinema falado. O ator retorna aos EUA em 1973, quando recebe um Oscar honorário pelo conjunto de sua obra. Ele morre no Natal de 1977, na Suíça, cercado por Oona e seus filhos e netos. Genial e eterno como poucos, ele sempre será lembrado por fazer o que pedia em sua música, da obra Luzes da ribalta, que ganhou o Oscar de Melhor Canção em: Smile.

Ficha Técnica

Chaplin

(Chaplin, EUA, 1992) - Direção: Richard Attenborough

Roteiro:

Baseado nas obras Charlie Chaplin, Sua Arte, Sua Vida, de David Robinson e

Minha Autobiografia, de Charles Chaplin

Willian Boyd, Bryan Forbes e William Goldman

Música: John Barry

Elenco

Robert Downey Jr.......................................Charles Spencer Charles

Geraldine Chaplin........................................Hannah Chaplin

Paul Rhys.....................................................Sidney Chaplin

John Thraw...................................................Fred Karno

Moira Kelly..................................................Hetty Kelly

Anthony Hopkins………….........................George Hayden

Dan Akroyd..................................................Mack Sennett

Marisa Tomei…………………………........Mabel Normand

Penelope Ann Miller………………….........Edna Purviance

Kevin Kline…………………………...........Douglas Fairbanks

Maria Pitillo…………………………….......Mary Pickford

Milla Jovovich………………….…...……....Mildred Harris

Kevin Dunn………………….……………...J. Edgar Hoover

Deborah Moore……………..……………....Lita Grey

Diane Lane……………….……………........Paulette Goddard

Nancy Travis……………….………….........Joan Barry

James Woods……………..…………….......Joseph Scott

Hugh Donner……………..……………........Charlie aos 5 anos

Nicholas Gatt…………...……………...........Sydney aos 9 anos

Thomas Bradford……...……………….........Charlie aos 14 anos

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo